Arquivos de novembro 2020

Liberdade!

Se faz presente, a liberdade. Onipotente. Súbita. Inopinada. Tão esperada! Em tons de imensa beleza, real singeleza confronta a escuridão da dor. Luz incandescente! Traz esperança. Desativa fendas expostas em solo árido da alma, do ventre, da gente. Pousa em duras pedras. Semeia pétalas. Deixa a abstração, grades de prisão. Metamorfoseia, (e)feito borboleta! Convida a …

Continue lendo

Mudança!

Abandona o cais. Navega. Engole os ais. Enfrenta as tormentas. Tu és capaz. Sai do ventre, rompe a bolsa. Desliza com a expulsão. Respira. Chora. Esperneia. Acata os desígnios da vida. Ela convoca; não convida. Supera idas e partidas, adeuses e despedidas. Recolhe os sonhos. Ainda há. Basta acordá-los e viajar. Escancara a janela. Observa …

Continue lendo

Dias Iguais!

Nessa rotina de dias cruciais, mar igual e barcos desiguais, tempo diferente sujeito atemporais, o medo, a dúvida, a ansiedade de mãos dadas querem assustar. Num cerco ao ser humano fazem a ciranda girar sem ter onde ancorar ou resistir. Ao homem resta se resignar. Guarda consigo os motivos que o levam a sonhar. Mergulha …

Continue lendo

Eclipse!

O sol espia, provoca. inunda, fecunda. evoca, alcança cá, acolá, menos o aqui. Não há como alcançar nem mesmo um raio consegue chegar lá. O girassol se mostra, aposta na manhã, no dia que será. Sob comandos solares põe à prova sua liberdade e se prostra nos lugares a girar. Coração carente, irreverente, não vibra. …

Continue lendo

Pensar!

Sinto o calor dos dias frios, o frescor do tempo seco. Desejo e não desejo esse arrepio. Cheio de um vazio que julgo conhecer, mas desconheço. Ouço minha fala no silêncio. O caminho largo e estreito vem me confrontar. Na mente, a explosão do monstro Medo fazem meu corpo se aquietar em gritar. Quero pensar …

Continue lendo

Esquecimento!

Este poema não é composto de flores e amores. É composto de sangue e ímpeto. Socos. Pés cansados. Braços brutais contra o vento. É a tempestade, o raio, o trovão. É o vão que se acumulou no peito. Este poema é sobre aqueles que gritam. se desesperam, duvidam e quebram os vidros sobre aqueles que …

Continue lendo