Vânia Ortiz

"Everything may be for a while."

Publicações do autor

Rupturas!

De repente, a expulsão. Rompe-se o cordão, o calor daquele abrigo. A união umbilical rompida pela contração. O frio, o desconforto, o susto que faz chorar, o ter que encarar a separação. O mundo. De repente, cerra-se a cortina, muda-se o cenário, embaçam-se as luzes, tremula a ribalta de um palco improvisado: perguntas impertinentes, respostas …

Continue lendo

Teu Silêncio!

Olho-te bem devagar. Há sempre uma verdade a ser descoberta, uma porta fechada, uma janela entreaberta, uma luz apagada, um brilho varando pela fresta. É preciso desvendar detalhes, tocar teus limites, trocar nossos olhares, concedermo-nos nos ver e, até onde me permites, conhecer o que omites, o que não deixas transparecer, tatear o que me …

Continue lendo

Apelo!

Venha! Venha mais cedo! Venha olhar-me nos olhos antes que fujam, envergonhados, por alguns fragmentos de desejos ousados. Venha! Tenho para você a essência que invade a penumbra. Tenho o aroma dos seus lençóis preferidos. Os mesmos que recendem o infinito e reacendem intensidades. Sei de você antes que se apresente. Apenas sei. Então, venha! …

Continue lendo

Via Crucis!

E, então, decidi despojar-me de todos pecados, ser meu próprio Pôncio Pilatos, ter meu corpo crucificado. Não para salvar a humanidade: não me crivaria de tamanha dor. Cristo foi mais sonhador. Não, foi mesmo autopiedade, da alma, em busca de serenidade. Caminhei com a cruz a que me impus. Não caí somente três vezes. Foram …

Continue lendo

Crença!

Creio em ti! Antecipa-me o céu. Bem de leve, sem escarcéu, clareia-me a escuridão. Mar de atrocidades, turbilhão, onde a hipocrisia se cria gerando só falsidades e a poesia se esconde em meio à desarmonia. Anseio a paz que há em ti, reviver o que já cri. Abre-me portas, janelas, incita meu voo livre, ampara-me …

Continue lendo

A poesia virá!

E a poesia virá nascida de todo lugar: livre, plena, pura, apesar do breu da noite que traça mistérios no ar ocultando a lua insinuante que, através de uma nuvem entreaberta, revela um brilho de sedução, provocando um fascínio ofegante que prontamente despertará. E a poesia virá, quando ao abrir os olhos vir a noite …

Continue lendo

Sem Poesia!

Quando acabar a emoção, preponderar a razão, traçarei a minha trilha. Nenhum envolvimento que arrebate, nem a luz que da estrela brilha, nem tudo que se interpõe, de repente, no caminho, e nos propõe um embate, pressionando-me a indagar: fico ou me deixo levar? Nada me fará parar! Quando não houver mais emoção e puder …

Continue lendo

Transformação!

Retira o cinza da vida, pinta-a com a leveza das cores: suaves, amáveis, amenas, penetráveis à alma, apenas, à espera do facho de luz que conduz, estimula à calma e induz ao encontro da paz. Enxuga o pranto salgado molhando o rosto cansado. Mostra que sabes sorrir. Inventa motivos. Eles hão de vir enterrar os …

Continue lendo

Percalços!

Agora que já fomos tão longe, enfrentamos temporais, sufocamos nossos ais, amparamo-nos, um ao outro, nas derrocadas. Choramos, dançamos, demos gargalhadas, brigamos como todo casal normal. Amamo-nos e feito cúmplices, em segredo, guardamos em silêncio nossos momentos. Inesquecíveis momentos. Os mesmos que agora jogas para o ar esperando que o vento os venham dissipar. Agora …

Continue lendo

Espelho!

Que espere a emoção! Dê-me um tempo a inspiração. Rasa de sensibilidade, encontro-me com a verdade de cara lavada sem máscara ou vaidade frente ao espelho. Quem sou? Ele nunca revela. O lado que mostra é o que me prostra e o que todos veem. Retrato mal formulado, moldura sem essência: minha passiva armadura, defesa …

Continue lendo

Carregar mais